Habilidades sociais mais requisitadas pelo mercado de trabalho

Habilidades sociais mais requisitadas pelo mercado de trabalho

As habilidades sociais são essenciais para um ambiente profissional. Porém, é fundamental lembrar que estas vão muito além da capacidade de conversar com as pessoas. Ter a capacidade de colocar as características ligadas à comunicação em prática significa gerenciar sentimentos, entender estratégias e administrar pessoas e situações com empatia, justiça e sabedoria. Para saber mais sobre o tema é só continuar lendo o artigo!

Além da capacidade de dialogar

Provavelmente, você já ouviu “Houston, we have a problem”, ou em tradução livre, “Houston, temos um problema”. A frase foi dita em uma missão mal sucedida da NASA e até hoje tem peso na história da humanidade. A história foi representada na literatura com  livro “Lost Moon: The Perilous Voyage of Apollo 13”, escrito por Jim Lovell, Jeffrey Kluger, e no cinema com o filme “Apollo 13”, de 1995, que foi inspirado na obra.

Apesar de ser uma história trágica, a narrativa dessa missão é uma verdadeira aula de gestão e de pensamento coletivo. Tanto pelo filme quanto pelo livro, é possível conferir a importância de uma liderança empática e estratégica, além da relevância do trabalho em equipe. Além disso, é possível identificar características fundamentais, tais como a boa comunicação, a inteligência emocional e a resiliência.

O mundo do cinema ainda tem outros exemplos muito interessantes a respeito da importância das habilidades sociais. O filme “Amor sem Escalas – Up in the Air”, de 2009, é uma adaptação do livro de mesmo nome, escrito por Walter Kirn. A história mostra um profissional que tem o trabalho de demitir outros profissionais. Para realizar o seu trabalho, ele viaja até onde a pessoa que será demitida está, pois ele acredita que isso humaniza o processo.

Porém, ele vê o seu trabalho ameaçado quando uma nova colaboradora da empresa propõe que as demissões sejam feitas via videoconferência. Apesar de reduzir os custos, o protagonista acredita no seu método de trabalho e passa a mostrar os benefícios dele como forma de argumentação. Com essa história, é possível extrair lições valiosas sobre estilo de trabalho, análise de prós e contras antes da implantação de novos processos, além da valorização do ser humano em ambiente corporativo.

Os dois exemplos mostram o quanto as habilidades sociais estão muito além do que simplesmente saber conversar com alguém. É preciso entender contextos, ser empático, abrir mão do egoísmo, compartilhar conhecimento e saber trabalhar em grupo. Para que você entenda quais são as competências sociais que o mercado está buscando com mais afinco, continue lendo esse texto.

5 habilidades sociais mais pedidas no mercado

Você sabe quais são as habilidades sociais que o mercado tem valorizado ultimamente? Pois, continue conosco para descobrir quais são as 5 mais importantes para você ficar atento. Confira:

  • Saber se comunicar além de uma simples conversa

Saber se comunicar com qualquer tipo de público de maneira assertiva pode parecer uma característica comum de ser encontrada, mas não é. É preciso entender quem é o seu ouvinte e qual é a necessidade dele para criar um discurso interessante para ele e que traga soluções relevantes. Portanto, é essencial estar em constante aprendizado, estudando sobre o seu público, o mercado e as melhores técnicas de comunicação. Somente dessa forma, a sua mensagem pode ser transmitida e converter as pessoas certas para as suas ideias.

  • Conseguir trabalhar em equipe sem perder a inteligência emocional

Trabalhar com outras pessoas significa conseguir chegar a solução de um problema de forma colaborativa. O desenvolvimento de uma atividade em grupo pode tornar uma entrega mais eficiente e criativa, trazendo retornos financeiros mais interessantes para a empresa. Isso acontece, pois uma equipe profissional é formada por pessoas com diferentes habilidades, experiências e pensamentos, o que deixa as reflexões mais ricas e as entregas mais complexas e completas. Porém, justamente o que torna o trabalho mais interessante pode ser o problema. A diversidade de opiniões em uma discussão exige que os participantes estejam dispostos a entender o lado do outro, assumir erros, dar e receber críticas construtivas e compartilhar conhecimento em apego às criações próprias.

  • Desenvolver o senso de dono no local em que você trabalha

A velha história de que você deve ter o senso de dono da empresa para fazer um trabalho melhor, é verdade. Portanto, dedique-se ao máximo para compreender e aderir a cultura organizacional da empresa. Você pode fazer isso lendo o código de conduta da corporação, observando atentamente o comportamento de colaboradores considerados como exemplos e lendo o manual de cultura, caso a empresa tenha. Esse tipo de ação faz com que você se sinta mais motivado para trabalhar, entregar resultados melhores e se entrosar cada vez mais com os colegas.

  • Ter ética profissional o tempo todo

Não adianta concluir uma atividade com ótimos resultados, se os meios usados para alcançar isso desrespeitam as regras do código de conduta da empresa. Por isso, é essencial que o profissional seja verdadeiro e honesto com todas as suas ações, entregas e comportamentos. Vale lembrar que essa orientação vale para tudo: desde a conversa de corredor, a execução de uma tarefa ou uma reunião com o gestor.

  • Criar a sua própria motivação para estudar constantemente

Um profissional que busca por excelência na execução das tarefas do dia a dia e por progresso na carreira deve estudar constantemente. É importante estar atualizado em relação às notícias gerais do mundo e do setor em que você trabalha.

Além disso, é fundamental estudar a respeito da história do mercado em que você atua e a evolução da sua profissão, afinal é possível aprender com o passado para fazer um presente mais assertivo e já se preparar para o futuro. O coaching é uma ótima forma de entender melhor a si mesmo e o seu papel no mercado para conseguir enxergar quais são os melhores caminhos para seguir.

Também é essencial conversar com profissionais relevantes do setor, ler artigos relacionados à área e compartilhar conhecimento e novidades com os colegas. A troca de ideias e reflexões é uma maneira inteligente de promover melhores práticas, inovação, tendências e a circulação de sabedoria.

Gostou das dicas? Se você tiver mais é só escrever abaixo nos comentários. É sempre bom compartilhar conhecimento!

O que fazer se sentir totalmente sem rumo profissional?

Se você tem se sentido perdido e sem rumo em sua vida profissional, saiba que não está sozinho. Essa é a realidade de muitas pessoas que não estão conseguindo enxergar uma perspectiva em suas carreiras. Esse fenômeno de descontentamento e perda de foco costuma se acentuar em períodos de crise econômica. O grande desafio é se redescobrir como profissional e refletir se não é uma oportunidade de mudar de rumo.

10 Dicas do que fazer ao se sentir sem rumo na vida profissional

A sensação de que não há nada para realizar ou buscar no âmbito profissional é bastante frustrante e comum. Se para você nada mais faz sentido, é válido conferir as dicas que listei abaixo de como se reencontrar e voltar a se sentir motivado realizando as suas atividades ou, então, seguindo por um novo caminho. Lembre-se que é fundamental ser feliz profissionalmente para se sentir realizado na esfera pessoal e vice-versa.

1 – Identifique que está em crise

Por mais curioso que possa parecer, muitas pessoas não sabem que estão vivenciando uma crise profissional e podem achar que é apenas uma fase ruim que irá passar. Porém, o problema está no fato de que, em grande parte dos casos, essa fase não termina nunca e vai aumentando a sensação de vazio e intensa agonia.

Sendo assim, se você tem sentido que não tem mais o que realizar onde está, comece a refletir sobre uma possível mudança de emprego ou até de carreira. Não é fácil pensar em recomeçar do zero, mas pode ser a única maneira de dar fim a essa sensação de vazio. Se você tiver férias para tirar, esse é um excelente momento.

2 – Entenda por que está infeliz no trabalho

A partir do momento em que você identificou que está passando por uma crise profissional, deve buscar entender quais são os motivos da sua infelicidade para saber como lidar com ela e resolvê-la. As atividades cotidianas são muito diferentes daquilo que você esperava quando optou por essa carreira? Os colegas tornam o ambiente organizacional tóxico com fofocas e sabotagens? Seu chefe é abusivo?

Quando você sente que ir para o trabalho é a última coisa que você gostaria de fazer, pensa em qual motivo para isso? Ao encontrar essas respostas você saberá como pode remediar ou não o ponto chave do descontentamento. Se o problema está na convivência com os colegas da empresa em que trabalha, mas não nas atividades que são realizadas, é válido começar a pensar em tentar encontrar vagas semelhantes em outras companhias.

No entanto, se o que te chateia é fazer o seu trabalho em si, considere que pode ser o momento de encontrar outra carreira que te faça mais satisfeito. Pense a respeito de quais eram as suas expectativas no começo de sua trajetória e de que maneira elas foram frustradas. Reflita sobre as suas habilidades e como elas podem ser usadas para se reposicionar no mercado.

3 – Você tem um hobby?

Para quem ainda está perdido e sem saber em qual outra carreira apostar, recomendo que examine quais são seus hobbies. Pode ser que aquela atividade que você gosta de fazer aos finais de semana para relaxar possa se tornar uma fonte de renda. Há diversas histórias de empresários bem-sucedidos que deixaram seus cargos em grandes multinacionais para se tornarem instrutores de ioga, professores, escritores, entre outras.

A questão é que você não deve focar somente na capacidade que a carreira em questão tem de te proporcionar ganhos financeiros, mas também do potencial de te fazer feliz. Por mais estranho que possa parecer, saiba que muitas vezes ganhar menos pode ser o que vai te ajudar a se reencontrar. Mas, é claro que tudo isso depende da sua flexibilidade para adequar seu estilo de vida à nova realidade e a segurança financeira que possui, assunto sobre o qual falarei no próximo tópico.

4 – Faça um estudo da sua vida financeira

A principal preocupação de alguém que está pensando em mudar de emprego ou de área de atuação é como fará para manter as contas em dia enquanto estiver sem uma nova colocação. O ideal para que essa decisão de mudança não tenha um impacto negativo na sua vida é fazer um estudo aprofundado das suas finanças, saiba quanto tem guardado para uma emergência e de quanto precisa para se manter por mês.

No caso de quem não tem dinheiro guardado, recomendo que inicie uma reserva de segurança, uma quantia que te ajudará a manter as suas contas pagas durante o tempo em que se reestrutura em um novo trabalho. Para que você possa ter mais tempo para se recolocar no mercado, é interessante adotar medidas que ajudem a diminuir os custos do seu estilo de vida. Gastando menos você conseguirá fazer com que seu dinheiro dure mais tempo.

5 – Reinvente a sua rotina de trabalho

Algumas pessoas, ao fazerem a avaliação de sua insatisfação com a carreira profissional, irão perceber que não estão totalmente descontentes com o que possuem, se este for o seu caso, essa dica é perfeita para você. Transforme a sua rotina de trabalho, de maneira que ela se mostre mais interessante ao longo dos dias. Quando há uma grande demanda de atividades é natural que as coisas acabem entrando no automático e isso gere uma sensação de agonia em médio e longo prazo.

A recomendação é fugir desse sistema automático que faz com que a vida profissional perca a motivação. Observe quais são as atividades que você precisa fazer todos os dias e como pode tornar a realização das mesmas mais atraente. Apenas mudar a ordem das tarefas já pode ser o suficiente para se sentir mais contente. O segredo está em criar interesse pela realização das suas obrigações.

6 – Não deixe de acreditar em si mesmo

Uma das consequências mais terríveis de se sentir sem rumo é ter sua autoconfiança abalada, e para se manter firme e forte na busca pela ascensão profissional você deve continuar acreditando em sua capacidade. Se ideias negativas a respeito de si mesmo estiverem dominando os seus pensamentos, recomendo que faça uma limpeza mental e foque nas suas qualidades e na forma como conquistou tudo o que possui.

Se for necessário, liste num papel quais foram as principais realizações da sua carreira até esse momento e quais ações tomadas por você impactaram para que esses resultados fossem possíveis. Ao analisar essa lista, você se dará conta de que tem grande potencial para chegar mais longe. Não deixe que um momento de baixa faça com que desista e esqueça do esforço que fez até aqui para se consolidar.

7 – Busque por qualificação profissional

Nesse período de transição, entre uma situação em que se sente perdido e a construção de uma nova carreira, sugiro que você busque por opções de cursos de qualificação profissional. Além desses cursos te ajudarem a potencializar o seu currículo para conseguir um reposicionamento no mercado, poderão servir como um teste de afinidade para saber se está mesmo fazendo uma boa mudança.

Quando uma pessoa se sente mal no lugar em que está, tende a achar que qualquer outro lugar poderá ser melhor, mas não é bem assim. Então, enquanto estiver estudando para se preparar para os novos desafios do mercado, pense no quanto poderá se sentir satisfeito nessa nova atividade.

8 – Converse com outras pessoas

Converse com amigos que já tenham vivido uma situação semelhante para saber quais foram as principais dificuldades que eles tiveram para mudar de emprego ou carreira e se acham que valeu a pena. Conselhos podem te ajudar a refletir a respeito de como buscar um novo rumo profissional, porém, lembre-se que a única pessoa que pode decidir algo em sua vida é você mesmo.

A forma mais inteligente de aproveitar os conselhos que lhe são dados é saber quais acatar e quais descartar. Nem tudo o que te dizem precisa ser concretizado, você deve determinar critérios para fazer as suas próprias escolhas, evitando que as crenças de outras pessoas influenciem nas suas mudanças de caminho.

9 – Faça uma autocrítica

Parte do seu descontentamento com os rumos da sua carreira pode estar intimamente ligada com falhas pessoais ou profissionais que você vem cometendo. A dica para que a sua reinvenção seja completa e assertiva é identificar se você tem contribuído para uma situação ruim e como vem fazendo isso. Você pode listar num papel quais comportamentos recorrentes gostaria de mudar.

Reflita e seja bem honesto a respeito da possibilidade de que esses comportamentos estejam comprometendo o sucesso da sua trajetória profissional. Talvez, a simples mudança deles possa contribuir para que você se sinta mais contente com a carreira em que está nesse momento. Pode ser que a mudança tenha que partir de você para que o contexto todo seja transformado.

10 – Não tenha medo de recomeçar

Recomeçar é realmente desafiador, mas não significa que seja impossível e para muitas pessoas é a única forma para que possam se sentir plenamente satisfeitas com os rumos de suas carreiras. Não tenha medo de iniciar uma nova trajetória, quando existe motivação não tem nada que possa te parar.

Gostou dessas dicas de como agir para recuperar a alegria em sua vida profissional? Espero que elas te ajudem a se conhecer melhor e se reencontrar na profissão e na vida como um todo.

Como saber qual faculdade fazer?

Quando chega o momento de prestar vestibular, é importante estar seguro quanto à escolha de faculdade que você pretende fazer. Essa é uma decisão muito importante que exige reflexão e uma boa dose de autoconhecimento. Nem todo mundo tem claro para si o que deseja fazer futuramente e qual é a área que pode torná-lo um profissional realizado. Se você está confuso, é legal conferir boas dicas para fazer a melhor escolha.

10 Dicas poderosas para escolher qual faculdade fazer

O primeiro ponto que devo esclarecer é que se trata de algo muito comum a indecisão quanto à faculdade a ser cursada. Boa parte dos jovens em idade de prestar vestibular não tem ideia do que deseja fazer no seu futuro e se sente pressionada a tomar uma decisão qualquer apenas para seguir o fluxo da vida. Para quem está nessa situação, listei algumas dicas que vão ajudar a pensar a respeito e tomar uma decisão mais assertiva.

1 – Autoconhecimento

Por mais óbvio que pareça pode ser que você não esteja olhando para o que mais importa para decidir por uma profissão, ou seja, para si mesmo. Aqueles que sabem exatamente quem são e quais são suas características mais evidenciadas, têm mais chances de fazer escolhas melhores quanto a cursos universitários. Se você se deu conta de que não conhece a si mesmo, pode fazer um exercício simples que consiste em fazer um mapa mental.

No centro de uma folha, escreva o seu nome e, a partir desse núcleo, puxe seis setas correspondentes aos tópicos abaixo:

Meus princípios: liste 5 princípios, partindo do mais para o menos relevante, que são essenciais para a sua vida e que motivam as suas ações.

Minhas qualidades: liste as suas características positivas mais importantes. Você é organizado? Sincero? Altruísta?

O que gosto de fazer: adicione a esse tópico da lista quais são as suas habilidades que podem te ajudar a construir uma carreira profissional. Algumas pessoas desenham bem, enquanto outras têm facilidade com os números ou para escrever. Acrescente, também, as coisas que você gosta de fazer, como caminhar, acampar, ir ao cinema.

Meus pontos a desenvolver: reconhecer os pontos nos quais não é tão bom assim e que que precisa desenvolver, é essencial para entender quais são as carreiras menos interessantes para o seu perfil, então, seja sincero.

Coisas de que não gosto: é a parte da lista em que vale adicionar tudo que você menos gosta como atividades (interagir com pessoas, passar muito tempo em um ambiente fechado, estar sob pressão constantemente), características de outras pessoas (perfeccionismo, falsidade, grosseria) e, até mesmo, áreas de estudo (matemática, português, química, história). Os elementos dessa lista que para você forem mais insuportáveis, devem ser circulados com a cor vermelha.

Disciplinas escolares preferidas: defina quais são as disciplinas da escola que você mais gosta, provavelmente perceberá uma maior inclinação para as ciências humanas ou para as ciências exatas. Quem, por exemplo, tem fascínio por português, redação e história, tende a se dar bem em profissões das áreas de comunicação ou direito. Já aqueles que gostam mesmo de estudar fenômenos físicos e fazer cálculos podem seguir pelo caminho das engenharias.

A ideia é que esse mapa mental te ajude a entender quem você é como indivíduo e quais são as coisas que mais gosta de fazer, encontrando uma profissão que abrace essas características.

2 – Busque informações sobre as profissões

Com o direcionamento do mapa mental que mencionei acima, você já terá uma ideia de algumas possíveis carreiras a seguir. O passo seguinte para tomar uma decisão assertiva é conhecer o máximo possível sobre cada uma dessas potenciais profissões. Fuja do lugar-comum dos mitos que cercam algumas carreiras e tente se informar sobre a realidade cotidiana dos profissionais, tanto no que diz respeito ao trabalho quanto à remuneração.

3 – Testes vocacionais

Para quem ainda se sentir perdido quanto à escolha de uma faculdade, indico que faça alguns testes vocacionais. Trata-se de um trabalho que pode ser feito individual ou coletivamente e tem como foco fazer uma associação entre as características da pessoa e de diferentes profissões. Pode funcionar como um método para te dar mais certeza quanto à faculdade que está pensando em fazer, caso ainda se sinta inseguro.

Aliás, fica a dica de que há uma grande variedade de modelos de testes vocacionais disponíveis na internet gratuitamente. Basicamente, o interessado responde algumas questões sobre as suas características pessoais e expectativas para o futuro, tendo no final como resultado a indicação de possíveis carreiras a seguir.

4 – Converse com pessoas atuantes na área

Alguns estudantes que estão se preparando para o vestibular ficam com dúvidas entre alguns cursos. Uma forma simples de resolver essa questão é conversar com pessoas que se formaram e estão atuando na área. Algumas faculdades promovem feiras de cursos em que apresentam o currículo a ser cumprido durante a formação e a possibilidade de conversar com estudantes que estão se formando ou já se formaram.

Outra possibilidade é tentar conversar com familiares ou amigos que atuem na área pretendida. Falar com alguém que vive o dia a dia da profissão é, com certeza, a forma mais interessante de conhecer a fundo o meio em que se pretende inserir. Toda profissão terá um lado bom e outro ruim, a questão é saber o quanto o lado não tão positivo irá afetar a sua capacidade de se sentir realizado em médio e longo prazo.

5 – Reflita sobre o assunto

A escolha de uma carreira é algo muito importante para ser decidido em cima da hora de preencher a sua ficha de inscrição do vestibular, mas também não pode se tornar a única questão em sua mente. Para que a decisão seja tomada com o máximo de discernimento e possibilidade de acerto, recomendo que você tenha um tempo considerável para pensar.

Pense bastante a respeito da sua escolha, mas lembre-se também que é significativo o número de indivíduos que deixa a primeira faculdade para somente então encontrar a carreira ideal. Obviamente, ninguém quer “perder” alguns anos em uma faculdade que não irá concluir, porém, em alguns casos, é esse desvio que permite encontrar o caminho certo. Tire dos seus ombros a pressão de fazer a escolha perfeita, tenha a tranquilidade de saber que poderá recomeçar, caso isso seja necessário.

6 – Informe-se sobre o futuro das áreas profissionais de seu interesse

A internet mudou significativamente algumas áreas de atuação, um grande exemplo é certamente a publicidade, que passou a contar com novos meios e linguagens para falar com o público. Os estudantes que antes tinham o sonho de fazer um layout de anúncio para revista, hoje já devem considerar saber como usar técnicas de SEO e as redes sociais para gerar leads para as marcas.

As mudanças em diversos campos profissionais acontecem rapidamente, na velocidade da internet. Então, no espaço de tempo de quatro a cinco anos, tempo médio de uma graduação, é possível que a área de atuação em que você está se inserindo já tenha sido transformada. Mantenha-se informado e procure ler sobre as expectativas para os próximos anos, tanto no que se refere à abertura de vagas como de enfoque. Assim, você saberá se a carreira em questão está dentro do que você deseja para si.

7 – Faça um teste de afinidade com a área de interesse

Após ter buscado por mais informações a respeito da área em que pretende atuar, fica a dica de fazer testes para saber se você realmente tem afinidade com esse segmento. Talvez você seja um entusiasta da astronomia, por exemplo, mas não se dê tão bem com a realidade cotidiana de um astrônomo profissional.

Para identificar se existe alinhamento entre o seu gosto pessoal por uma área de conhecimento e a sua realidade profissional da mesma, indico que você faça testes vocacionais e comece a colocar em prática algumas atividades, no caso do exemplo acima, você pode fazer um estudo a respeito de algum corpo celeste.

8 – Cuidado com as pressões externas

Nessa fase da vida, é natural que os jovens busquem orientação com os familiares mais experientes, contudo, é necessário ter cuidado para não deixar que outras pessoas tomem essa decisão no seu lugar. Lembre-se que quem vai frequentar a faculdade e eventualmente trabalhar na área em questão é você, então, não dá para terceirizar e nem deixar que pressões externas influenciem na sua escolha.

Ainda há pais e mães que sonham em ver seus filhos seguindo a mesma carreira que tanto os faz felizes, mas se não existe uma identificação do jovem com esse segmento é necessário saber dizer não e procurar iniciar a sua própria trajetória.

9 – Pesquise as instituições de ensino

Depois de decidir a respeito da carreira que você deseja seguir, vem o momento de escolher as instituições para as quais irá prestar vestibular. O ponto chave é verificar se a faculdade tem o reconhecimento do MEC (garantia de que seu diploma será reconhecido) e qual é a sua imagem perante o mercado. Após anos de graduação, é importante ter um diploma que, além de válido, te ajude a se destacar para encontrar uma boa colocação.

10 – Invista em Coaching

O Coaching pode ser um grande aliado neste momento de dúvida em relação a qual profissão seguir. Inclusive, existem Coaches que são especializados em orientação profissional. Então, se deseja obter suporte para passar por todo esse processo de forma sistêmica para fazer uma boa escolha, invista em Coaching!

Espero que as dicas compartilhadas tenham feito sentido para você e te ajudem a tomar uma excelente decisão!

Dicas para trabalhar sobre pressão

Existem certas situações que as pessoas vivem que podem receber o nome de dificuldades. Uma relação complicada no trabalho, aquele familiar que nos magoa e trata mal, um momento que nos coloca frente a frente com nossos maiores medos. Para muitos, estes são alguns exemplos do que podem ser considerados grandes desafios. Mas para aqueles que conseguem manter um olhar mais otimista e positivo diante destas situações, as dificuldades se tornam verdadeiras oportunidades.

Enxergar as oportunidades em situações adversas é uma maneira eficaz de lidar com as dores que estas têm o poder de nos causar. Além disso, ter esta experiência com os desafios nos traz algo importante para o nosso crescimento pessoal: a sabedoria para trabalhar sob pressão. Há um ditado popular que diz “mar calmo nunca fez bom marinheiro”. É incrível como uma pequena frase como essa pode conter tanta verdade. Observe a sua volta e veja como a pressão move as coisas.

Ela faz parte da nossa vida. Há uma grande verdade sobre a pressão: ou você a usa para se movimentar ou ela te esmagará Quem tem visão, experiência e maturidade sabe usar o “mar turbulento” para aprimorar suas habilidades e se tornar um bom “marinheiro”. Os ciclistas costumam brincar que são as grandes subidas que separam os “homens” dos “meninos”. Afinal, são nas subidas que os ciclistas necessitam exercer maiores pressões sobre os pedais e assim, locomover a bicicleta. E é durante a subida que os melhores ciclistas se destacam dos demais.

Mas, como trabalhar sob pressão? É o que eu vou buscar responder ao longo de todo este conteúdo. Acompanhe-me e confira!

Porque é importante lidar com a pressão do dia-a-dia

Você deve estar aí a pensar: “Zé, porque é importante aprender a lidar com a pressão?”. Vou mostrar para você 3 bons motivos para que você perceba a importância deste processo:

1 – A pressão é uma oportunidade para o desenvolvimento

Assim como os músculos se desenvolvem sob pressão – um princípio básico da musculação –, no dia a dia, ela nos torna mais fortes e mais preparados. Portanto, encare a pressão como uma oportunidade para se desenvolver tanto emocional quanto profissionalmente.

2 – A pressão e o autoconhecimento

As situações em que possuem maior pressão nos proporcionam a quebra da nossa zona de conforto. A quebra da zona de conforto nos dá a oportunidade de conhecer mais sobre nós mesmos. Ela faz com que vivamos situações diferentes e desafiadoras e é uma importante aliada no processo de autoconhecimento. Aproveite-a em seu próprio benefício.

3 – É um momento para provar o seu valor

Não se cobra de quem não tem capacidade. Não se pede que um pé de maracujá dê uvas, pois é simplesmente loucura! Se há pressão, é porque você é capaz de usá-la a seu favor. Não se esqueça de que a pressão tem o poder de te levar mais alto! Por isso, saber trabalhar sob ela é fundamental para uma carreira de sucesso.

Duas dicas são primordiais àqueles que trabalham sobre a pressão: seja organizado e mantenha a calma. Mas não confunda calma com morosidade ou lentidão. Calma é ter serenidade de ânimo, ou seja, não se desesperar.

Dicas para lidar com a pressão do dia-a-da

Agora que você já conhece os motivos para fazer da pressão uma aliada, confira algumas dicas poderosas para que você possa lidar com ela de maneira positiva e eficaz.

1 – Cuide de sua linguagem corporal

O corpo fala, com toda a certeza. Tire um tempo do seu dia para notar como o seu corpo reage diante de uma pressão. Pessoas que estão nervosas e sob pressão costumam cruzar os braços e evitar o contato visual. Estas podem ser falas de um corpo que está cansado ou bastante pressionado.

Se este é o seu caso, procure atividades que possam contribuir com o alívio desta pressão. Busque algo que seja prazeroso. Esta pode ser uma boa oportunidade para descobrir novos prazeres. Aquela yoga que você tem se negado a fazer pode ser importante neste momento. Ou aquele momento para corrida pela manhã. Permita-se viver novas e positivas experiências, pois isso vai ser positivo para que você se fortaleça e lide com os momentos de pressão da melhor maneira possível.

2 – Seja proativo e acredite em seu potencial

proatividade é reflexo da sua autoconfiança. Quando você acredita que será capaz de encarar os desafios, você toma atitudes poderosas e verdadeiras. Portanto, diante de uma situação em que a pressão esteja presente, seja proativo! Confie em suas habilidades, antecipe os riscos e vá direto ao ponto quando for resolver algo.

3 – Descontrair faz bem

Viver momentos de descontração e humor são importantes para lidar com as pressões do dia-a-dia. Momentos descontraídos renovam nossas forças e melhoram nosso astral, contribuindo para que estejamos mais abertos e atentos com os fatores positivos que a pressão pode nos proporcionar.

Além disso, momentos de descontração trazem uma sensação de leveza que te ajuda a trabalhar de forma mais produtiva. Saia para encontrar com os amigos, ver os familiares queridos ou assistir algum filme de comédia, por exemplo.

4 – Mantenha a organização

Como eu disse mais acima, uma das chaves para lidar com a pressão, principalmente no ambiente de trabalho, é manter-se sempre organizado. Digo isso, pois é ela que vai te ajudar a não se desesperar, quando seu chefe começar a te cobrar, ou os clientes te ligarem exigindo que você entregue algo a eles o mais rápido possível.

A organização permite ao profissional manter tudo sob controle, bem como cumprir os prazos determinados no início de cada tarefa. Sendo assim, é importante que você conte com planilhas, aplicativos, softwares e ferramentas de gestão de projetos, entre outros recursos, que vão te ajudar a gerenciar melhor, não só as suas demandas, como também o seu tempo e a pressão que fazem sobre você todos os dias.

5 – Invista em seu autoconhecimento

Investir em autoconhecimento, dentro deste contexto, é realmente e verdadeiramente importante, pois saber quem você é, quais seus pontos fortes e pontos de melhoria, entre diversos outros aspectos de sua personalidade, vai te ajudar a manter a calma diante da pressão externa e também da interna sofrida diariamente.

O autoconhecimento é algo poderoso, uma vez que ele nos permite entender e ter maior consciência sobre os recursos internos que temos e que serão primordiais para não sucumbirmos à pressões de quaisquer natureza.

Assim, neste processo, é importante que você se entenda melhor, para que, dessa maneira, seja possível, inclusive, você desenvolver a sua inteligência emocional, que é um recurso fundamental e que vai te ajudar a lidar com as emoções negativas que venham a surgir, quando você se vir diante de alguma situação que venha a te pressionar no futuro.

6 – Saiba priorizar

Outra excelente forma de lidar com a pressão no trabalho é saber priorizar as atividades que devem ser realizadas ao longo do dia. Muitas vezes a pressão acaba nos massacrando emocionalmente, porque, em decorrência da ansiedade, tendemos a querer fazer tudo ao mesmo tempo e a atender todas as demandas que temos de uma só vez. Este é um grande erro que cometemos e que só serve para nos prejudicar.

Diante disso, o que você deve fazer, e que é importante para que você lide bem com a pressão e trabalhe em paz, é priorizar suas tarefas. Antes de iniciar seu trabalho, liste as atividades mais importantes que você precisa entregar e que não podem ser deixadas para depois. Em seguida, passe para aquelas que não têm tanta urgência assim.

Fazendo isso, você aprende a dar prioridade ao que realmente importa e consegue entregar suas tarefas com qualidade e dentro do cronograma estabelecido para cada uma delas, afastando de vez a pressão de sua rotina.

7 – Trabalhe o seu foco

O foco é importante neste processo, porque ele te ajuda a não dar espaço para a procrastinação. Muitos de nós, mesmo sabendo da importância de entregar nossas demandas dentro do prazo, acaba procrastinando a realização de algumas atividades, o que faz com que estas fiquem acumuladas e gerem, no futuro, a tão temida pressão que queremos afastar de nosso dia a dia no trabalho.

Dessa maneira, é essencial manter-se sempre focado, para que assim seja possível fazer o que deve ser feito durante o expediente.

8 – Saiba dizer não

Outro problema que faz com que a pressão tenha espaço em nossa rotina, é quando, mesmo estando cheios de trabalho a fazer, nós aceitamos ainda mais demandas. Este é também um grande erro que muitos de nós comete, pois além de termos poucas chances de entregar tudo, nós também acabamos colocando em risco o nosso bem-estar no trabalho, que pode ficar comprometido em decorrência da forte pressão que vem acompanhada do acúmulo de tarefas a serem executadas.

Neste sentido, mesmo que seu chefe insista, que seu colega peça com jeitinho, ou que o cliente exija, é fundamental que você saiba impor limites e diga que não tem condições de atender a estes pedidos e solicitações, uma vez que já possui diversas outras demandas para entregar e a qualidade de todas elas pode ficar comprometida caso você inclua mais alguma.

Saber dizer é um bem que você faz a si mesmo e à empresa para a qual você trabalha, pois, dessa maneira, você entende quais são os seus limites, até onde pode e não pode ir, evitando, com isso, estresses desnecessários, principalmente para você.
Além de utilizar estas dicas em seu dia a dia, algo que você deve praticar, para não ser vencido pela pressão no trabalho, é manter sempre a calma quando estiver diante de situações limite, quando estiver frente a um momento que exige resolução imediata.

Ao se ver inserido neste contexto, evite entrar em pânico, pois ele realmente não será seu amigo e nem o melhor conselheiro neste momento. Procure manter a calma, respirar fundo e colocar os pensamentos em ordem, para que assim você consiga definir os primeiros passos que precisa dar, no sentido de solucionar a questão que necessita da sua atenção imediata.

Esta é a melhor maneira de lidar com a pressão diária no trabalho, que é algo verdadeiramente inevitável e com o qual precisamos aprender realmente a conviver.

Siga estas dicas e tenha uma rotina de trabalho cada vez mais tranquila.

Agora me conte, querida pessoa: como você lida com as pressões do dia-a-dia? Utilize o espaço abaixo para me contar a sua experiência e a sua opinião sobre o assunto. Se este conteúdo te ajudou de forma positiva, curta e compartilhe em suas redes sociais.

Dicas para citar suas realizações profissionais em seu currículo.

Os recrutadores observam com atenção especial a parte do currículo dos candidatos dedicada às realizações profissionais, pois, além de saber o que eles já fizeram de relevante em suas carreiras, permite conhecer a sua capacidade de coesão e coerência na apresentação de fatos. Sendo assim, não é interessante suprimir esse trecho do currículo por ter dúvidas de como elaborá-lo.

10 Dicas de como citar realizações profissionais em seu currículo

Quando você está elaborando o seu currículo para se candidatar a uma vaga, tem dificuldades de enumerar as suas realizações e capacidades? Saiba que para muitas pessoas essa é uma grande barreira, mas que pode ser superada. A seguir, você verá dez dicas que vão te ajudar a selecionar as principais realizações profissionais da sua carreira e construir um texto explicativo e eficiente.

1 – Selecionando as realizações profissionais

O ponto de partida para elaborar essa parte do seu currículo é selecionar quais são as realizações mais importantes de serem mencionadas. O ideal é fazer um brainstorming com foco nos seus últimos anos de atuação no mercado. Pense sobre o que você fez e conquistou, sem julgar a relevância de cada item, anote tudo.

Tendo um panorama escrito do que você tem de positivo para falar a respeito de sua atuação, fica mais fácil selecionar os itens que são mais interessantes de mencionar para a colocação profissional que está procurando. Em alguns casos, os tópicos considerados menos significativos podem ser os mais impactantes para o recrutador, então, dedique algum tempo para fazer essa escolha.

2 – Escreva usando uma estrutura

Após ter selecionado as realizações profissionais que constarão no seu currículo, chega o momento de escrevê-las. A melhor forma de citar esses itens é usando uma estrutura que torne mais simples entender qual foi o problema solucionado e a ação tomada por você. Abaixo vou explicar com mais detalhes como funciona essa estrutura.

– Defina um problema

Uma solução somente é pertinente quando se tem um problema que precisa ser eliminado, um desafio a superar. Então, a primeira parte dessa estrutura para citar as suas realizações é apresentar ao leitor do seu currículo o cenário em que se destacou.

Qual era a questão que prejudicava a companhia? Pode ser, por exemplo, a queda de produtividade devido a processos falhos ou, então, a diminuição do volume de vendas pela ascensão da concorrência.

– Solução

Com o problema devidamente apresentado, chega a hora de mostrar a solução implementada por você, ou seja, a realização em si. Devo ressaltar que o texto a respeito da realização não deve ter mais do que duas linhas. Além disso, você não deve confundir solução com objetivo. A primeira se refere a uma ação efetiva que resolveu um problema, enquanto que o segundo é o que se espera que aconteça, mas que não se concretizou ainda.

Seguindo nos exemplos que mencionei no tópico acima, as soluções poderiam ser: reestruturação de novos processos produtivos e elaboração de novos diferenciais para os produtos.

– Resultados

Tão importante quanto saber identificar um problema, é saber agir para corrigi-lo, então, é evidente que os recrutadores desejam saber quais foram os resultados obtidos pelas suas ações profissionais. No universo corporativo, sempre que possível se deve apresentar resultados na forma de números, assim, se você puder demonstrar a eficácia de seu método quantitativamente será melhor.

Ainda exemplificando, os dois casos citados poderiam ficar assim: os novos processos acarretaram em aumento de 50% da produção e 25% de vendas nos primeiros quatro meses.

3 – Escrevendo o parágrafo de realizações profissionais na prática

No tópico acima, expliquei a estrutura lógica de apresentação de realizações no currículo e agora vou demonstrar com dicas mais práticas como escrever efetivamente esse parágrafo.

– Frases

Devem ter entre 15 e 25 palavras apenas, ser prolixo pode tornar difícil para o leitor compreender a sequência de fatos e criar desinteresse.

– Use substantivos no início das frases

A primeira palavra da sua frase de explicação das realizações profissionais deve ser um substantivo que torne simples entender qual foi a ação tomada. Alguns exemplos pertinentes são: aceleração, crescimento, padronização, otimização, organização, aprimoramento, fortalecimento, entre outros.

– Descrição da ação

Partindo do uso de um substantivo que esclareça a ação tomada, elabore o texto da ação que pode ficar assim:

“Padronização dos processos de produção”

– Apresentação da forma como a ação foi executada

Consiste em apresentar de maneira resumida como você agiu para a solução da questão em si.

“identificando as falhas e apresentando melhorias”

– Resultado

Por fim, chega o momento de concluir essa frase com o resultado que se obteve por meio dessa ação.

“que acarretaram no aumento de 40% do volume produzido nos dois primeiros meses.”

O parágrafo construído nesse passo a passo ficou assim:

“Padronização dos processos de produção, identificando as falhas e apresentando melhorias que acarretaram no aumento de 40% do volume produzido nos dois primeiros meses.”

Analisando, é possível identificar o problema/desafio (aumento da eficiência produtiva) que foi solucionado pela ação apresentada (padronização dos processos) e que obteve um resultado (aumento de 40% em dois meses).

4 – Atenção para dados numéricos

Citei acima que a apresentação de dados numéricos é relevante para apresentar os resultados de suas realizações, no entanto, se você não tem esses dados, não caia na tentação de inventar. Hoje em dia, com a internet, está relativamente simples conferir qualquer informação que nos é apresentada e com certeza muitos recrutadores o fazem. Você certamente não quer passar por mentiroso ou demonstrar que está exagerando nas potencialidades de suas ações, não é mesmo?

5 – Seja claro e objetivo

Agora que você já conhece a estrutura para elaborar os textos descritivos de realizações profissionais, é essencial atentar para como tornar seu currículo interessante para o recrutador. Lembre-se que essa pessoa provavelmente tem uma grande variedade de currículos em mãos e precisa ser atraída particularmente pelo seu para que ele não vá para a pilha do descarte.

Para isso, seja claro e objetivo na sua forma de apresentar os elementos mais significativos, não somente no que diz respeito às realizações em si. Textos com muitos floreios e desvio do foco acabam passando a ideia de alguém que não é muito focado e/ou que não tem conteúdo para disputar a vaga. Textos curtos e diretos são primordiais.

6 – Use palavras-chave de sua área

Para que seu currículo se torne mais relevante em buscas online, é essencial que tenha palavras-chave da sua área de atuação. Assim, quando uma companhia estiver buscando por potenciais candidatos, pode ser direcionada para a sua descrição profissional. Esse cuidado também é eficiente para melhorar seu posicionamento no processo de triagem realizado pelos recrutadores, novamente lembro que o número de currículos que eles recebem é bem significativo.

7 – Esqueça os jargões e termos técnicos muito específicos

Usar palavras-chave da sua área não significa incluir no texto de suas realizações jargões e termos técnicos que são muito específicos, pois isso pode comprometer o entendimento que o recrutador que está diante do currículo terá de sua apresentação profissional. Muitos profissionais podem atuar em empresas de diferentes segmentos ao longo de suas carreiras, não podendo ficar presos à linguagem de um setor.

8 – Foque em realizações relevantes

Cada área de atuação possui as suas próprias realizações relevantes, considere isso no momento de determinar o que será adicionado ao seu currículo. Por exemplo, quem está buscando uma vaga na área de finanças, pode enfocar em realizações como redução de custos, elaboração de programa de organização financeira e otimização de processos relativos aos impostos.

Já quem está buscando uma colocação no setor de recursos humanos, pode apresentar realizações que envolvam redução de rotatividade, políticas de melhoria de clima organizacional, bem como redução de custos para contratação e desligamento de colaboradores. Pense a respeito do que o potencial futuro empregador pode estar procurando e, claro, sempre focando no que foi realizado de verdade.

9 – Não cabe tudo em um parágrafo

Quando estiver escrevendo sobre as suas realizações profissionais, você certamente perceberá que não dá para colocar tudo o que aconteceu e realizou em duas linhas. A ideia é que a realização seja apresentada tal qual uma manchete de jornal, criando expectativa de saber mais naquele que está lendo, mas sem entregar todo o conteúdo de uma vez.

Aliás, é interessante que o recrutador tenha o desejo de saber mais a partir do que está escrito em seu currículo, pois, assim, ele provavelmente te chamará para uma conversa pessoalmente. Frente a frente com o entrevistador, é possível relatar com mais detalhes o que há de importante em suas ações, demonstrado ser uma excelente aquisição para a organização.

10 – Jamais minta

Em hipótese nenhuma se deve mentir na elaboração de um currículo, por mais que você acredite que não tem a qualificação necessária para conseguir a vaga desejada. Busque melhorar a sua capacitação profissional e se dedique em ter mais realizações para apresentar futuramente. Como bem diz o ditado popular, a mentira tem perna curta e com a internet pode ser desvendada em apenas um clique.

Gostou dessas dicas de como citar as suas realizações profissionais no seu currículo? Deixe seu comentário abaixo e compartilhe o artigo em suas redes sociais!

Qual o perfil do profissional do futuro?

As constantes mudanças do mercado, os novos perfis de consumidor, as novas tecnologias e a globalização, resultaram em transformações também no tipo de profissional que as empresas procuram.

Tanto as empresas como colaboradores de hoje já não querem mais saber de métodos antigos de gestão. A humanização das organizações vem se tornando uma postura essencial no mundo dos negócios e mercado de trabalho.

Partindo desse conceito, entre as características valorizadas pelas organizações atualmente, o desenvolvimento humano do colaborador é uma das que possui mais destaque. Conheça nesse artigo, o conceito de profissional do futuro e suas principais qualificações.

Conceito de profissional do futuro

Quando falamos em profissional do futuro, logo pensamos nas profissões que serão destaques nos próximos anos. Salário, campo de trabalho, possibilidades de ascensão na carreira, satisfação e realização pessoal, são alguns dos fatores avaliados quando analisamos as profissões que estarão em destaque no Brasil e no mundo.
Ficamos de olho nas tendências de mercado, pesquisando e analisando qual carreira se adequa mais ao nosso perfil, valores, crenças etc. Porém para o futuro, o profissional tem que ir além de seus conhecimentos técnicos.

Não apenas a formação acadêmica do profissional será levada em conta, independente das áreas e profissões que serão consideradas promissoras nos próximos anos, devemos pensar no comportamento, nas habilidades, capacidades, valores, ética e autoconhecimento dos profissionais. Esses já são e serão os diferenciais competitivos do mercado no futuro.

Seguem algumas características que todo profissional deve buscar desenvolver:

Autoconhecimento

O profissional do futuro é aquele que busca identificar seus pontos positivos e pontos de melhoria e potencializar suas habilidades e competências, para assim, contribuir de forma positiva com a empresa em que trabalha, tomar decisões seguras, ter foco, otimizar processos e alcançar resultados eficazes.

Inteligência Emocional

Inteligência Emocional é uma característica mensurável que diferencia o nível de performance, de uma pessoa e um trabalho ou papel, tanto na empresa, quanto na família e sociedade. É essencial que o profissional tenha capacidade de entender e lidar com suas emoções para, então, contribuir com seu próprio desenvolvimento e dos demais colegas de trabalho.

Existem pessoas que se sobressaem neste campo, e no ambiente de trabalho, explorando a inteligência emocional com maestria. São capazes de controlar sentimentos ruins, não os demonstrando; de fazer uma avaliação correta do cenário; são confiantes e focadas nos objetivos, como no caso de uma promoção.

Também têm consciência de suas capacidades e habilidades e as usam ao seu favor; se adaptam facilmente ao ambiente e às necessidades; são organizadas e comunicativas e também, sabem conduzir relacionamentos de forma empática e harmônica com os colegas e superiores, se destacando entre os demais.

Flexibilidade

O mercado e as estruturas organizacionais estão em constante mudança, nesse sentido, o ideal é que o profissional do futuro seja flexível a situações como imprevistos, novos desafios e consiga transformá-las em oportunidades, adaptando-se às mesmas, sem que a sua performance sofra consequências negativas.

Agilidade

Vivemos na era da tecnologia, assim, rapidez e agilidade são qualidades profissionais fundamentais aos bons colaboradores. Isso gera à empresa, diminuição de retrabalho, economia dos recursos financeiros, otimização dos processos e melhores entregas.

Capacitação

O profissional deve estar em constante aprendizado, fazer cursos, especializações, formações, workshops, capacitações etc. Através da busca por desenvolvimento profissional, o colaborador evidência à empresa, sua busca por técnicas, habilidades e ferramentas, capazes de gerar melhorias em sua produtividade.

Comunicação

Uma habilidade muito valorizada é o ato de, além de saber se expressar, também saber ouvir diferentes opiniões, entender as necessidades de toda a empresa, repassar processos e passar e receber feedbacks construtivos. Uma organização composta por equipes que conseguem difundir o relacionamento interpessoal, mantém a alta performance e garante vantagem competitiva.

Proatividade

O profissional do futuro deve tomar iniciativa, dar ideias para melhorar os processos de trabalho, contribuir com o desenvolvimento da empresa e assim, colaborar com o seu destaque no mercado em que atua.

Criatividade

Exercer o lado criativo e criar novas formas de trabalho e projetos garantem à empresa capacidade de inovação, aprimoramento de novas habilidades e maximização da performance.

Além disso, se mostrar uma pessoa interessada nos problemas de seu trabalho, no dia a dia ou, até mesmo, em questões relacionadas à empresa, mas de forma saudável, podem fazer com que você se destaque. Levando a seu gestor soluções que podem ajudá-lo a resolver um problema, até então, no mínimo, incômodo.

Equilíbrio

É essencial que o profissional do futuro saiba equilibrar a sua carreira e sua vida pessoal. Para ser um colaborador de destaque, a pessoa deve sim procurar por aperfeiçoamento, técnicas e ferramentas que garantam o seu crescimento. Mas nada disso adianta se ele não buscar o alinhamento de outros aspectos da sua vida, como relacionamentos, hobbies, família, etc.

Profissional tradicional x Profissional do futuro

O profissional tradicional é aquele que realiza suas atividades dentro da empresa de forma linear, ou seja, as orientações sobre o seu trabalho são repassadas por profissionais de nível hierárquico mais elevado, o ambiente é impessoal e valoriza mais os processos do que o capital humano.

Já o profissional do futuro, é aquele que influencia de forma positiva todos a sua volta e trabalha em um meio que valoriza cada colaborador e o trabalho em equipe, bem como suas competências, necessidades e desenvolvimento.

Gostou deste artigo? Além destas, qual ou quais características você acredita serem do profissional do futuro? Deixe o seu comentário abaixo e lembre-se de compartilhar este conteúdo em suas redes sociais, para que seus amigos também tenham a oportunidade de se prepararem para o mercado de trabalho, efetivamente e na prática.